domingo, 3 de maio de 2009

Cenas do cotidiano 3


Missa de domingo. Um garotinho, loiro, com roupas coloridas e um carrinho na mão, caminha pela igreja, sob os olhos dos pais.

Todos estão ajoelhados, concentrados. O padre prega: “Tomai todos e bebei. Isto é o meu sangue...”

O garotinho procura a mãe.

“Quer fazer cocô!”, adverte, com tom de urgência, quebrando o silêncio no templo de oração.

Os fiéis surpreendem-se, seguram o riso mordendo a boca. Até a matriarca do jovem requisitante tenta controlar-se, enquanto leva o dedo indicador aos lábios para o tradicional “sshhhhh”.

O pequeno reprova, fuzila a mãe com os olhos apertados, enche o peito e, cheio de razão, ordena:

“Quer fa-zer co-côôôô!”

A senhora levanta-se e sai levando pela mão a criança vitoriosa, que continua com cara fechada. Todos ainda esboçam sorrisos.

Pelo odor que fica no ambiente, o garoto não estava de brincadeira. Poderia até ter avisado um pouco antes.

2 comentários:

João disse...

Não se ignora uma pessoa portando armas químicas. Por muito menos que isso invadiram o Iraque, eu sempre digo...

Lilli disse...

Só fico imaginando onde o muleque foi descarregar tudo que lhe estava preso por dentro.

Porque, por aqui, cagar em banheiro de padre, é pecado!