segunda-feira, 11 de maio de 2009

Manual do assentado - Anexo 1



Ratifico: caso haja variedade de lugares vagos no ônibus a serem escolhidos e a experiência com o trajeto indicar que em pouco tempo o coletivo se lotará, opte por uma janela. Aos defensores dos bancos do corredor — que têm suas alegações no maior espaço dispensado às pernas e na facilidade para deixar o ônibus — meu argumento:

Atualmente percebo que aumenta a quantidade de pessoas que veem na superlotação do transporte coletivo uma oportunidade de sarrar alguém. Esses aproveitadores pousam a genitália maliciosamente sobre os ombros do passageiro na cadeira do corredor, enquanto, por dentro, regozijam-se de prazer. Injustiça, imperdoável.

Outro ponto ainda não abordado: a subida ao ônibus é um momento-chave na estratégia para repouso na viagem. É imprescindível entrar o mais rapidamente possível no veículo. Lembre-se: se há nove pessoas no ponto à espera do coletivo, provavelmente há apenas oito lugares vagos. Posicione-se à frente das senhoras e crianças. O Murphy está de olho em você.

A propósito, cavalheirismo é para os fracos.

Um comentário:

João Junior disse...

Cara, no metrô de São Paulo isso atinge proporções insanas...E sinto saudades dos bons e velhos tempos em que apenas mulheres eram sarradas por maníacos...